quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

como uma coisa tão simples de desenhar me estava a dar tanto trabalho a escrever:

imaginemos que na saída, os veículos batem.
A questão é: quem é o culpado?




terça-feira, 25 de Novembro de 2014

É triste, mas é verdade

a maioria das pessoas não percebe um insulto inteligente, e é por isso que passo o dia às caralhadas.

segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

querem lá ver

que sou a única a rir-me um bocadinho, de cada vez que dou banho a alguém com a água das poças que a chuva forma, quando, acidentalmente*, passo por elas de carro?


*juro, han? 

vamos lá fazer aqui uma sondagem:

na blogoesfera, como na vida, há ou não há mulheres mal fodidas?

sábado, 22 de Novembro de 2014

mais tarde ou mais cedo, tudo acaba por fazer sentido.

praticamente dez horas depois de um hospital com o pior serviço de urgências do mundo, percebo finalmente porque é que o destino, na altura em que me limitava a ser uma estudante ingénua, me desviou do caminho da enfermagem; sou demasiado humana para tal profissão.

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

Pois eu cá

prefiro ler e até, imagine-se o disparate, discutir acerca da temática árvore de Natal, sobre se esta quase cai na tola dos putos, se estes lhes tentam roer os fios, se chupam as luzes, se enfiam a estrela numa narina, se arrancam as fitas, se a tentam comer, agora que penso nisso, parece mesmo que estou a falar do meu filho, uma canseira este puto, ainda me há-de levar à demência, e conto com este stress diário até pelo menos dia seis. De Janeiro. Estamos melhor, contudo. Mas estava eu a dizer, prefiro ler acerca desta matéria, até porque, pasme-se, cada um age da forma que bem entende, do que ler, uma vez que seja, ainda que ao longe, sobre a puta da violência doméstica, e o piropo, e o assédio e o caralho, já não há pachorra para esta merda.
Meias, parece que não se cosem sozinhas.